Vida Online

Como reduzir a pegada digital no Facebook

por Camile Carvalho em 14/09/2013

Como reduzir a pegada digital no Facebook | Vida Minimalista

Muito temos falado sobre a pegada ecológica quando o assunto é meio ambiente, mas você já parou pra pensar na pegada digital que está deixando por aí? Blogs antigos, fotologs, emails que não usa mais e outros tipos de cadastro são frequentes no mundo digital, mas o problema não é o fato deles existirem, mas sim as informações que carregam.

Eu já deletei todos os meus emails antigos que não usava mais e mantenho apenas um ativo, para o qual direcionei os emails do blog e outros de cadastros de sites. Mas ontem fiquei pensando – novamente – na vulnerabilidade das nossas informações no Facebook.

Com a nova timeline é possível encontrar posts de anos anteriores. Ontem descobri que fiz meu cadastro em 2010, e desde então tenho compartilhado coisas importantes da minha vida nele. Se eu falar que sempre tive essa preocupação com meus dados na rede, estarei mentindo. Minhas postagens antigas eram bobas, falavam mais do que deviam de mim e qualquer pessoa que clicasse ali, no ano 2010, poderia ver conteúdo que já não combina mais comigo. O que fazer então para apagar o passado?

Tem um recurso no Facebook, nas configurações de privacidade, que se chama “limitar publicações anteriores”, mas isso não resolve tudo. Ele apenas muda a privacidade do que antes era público, para a visibilidade apenas para amigos, ou seja, quem está adicionado como amigo, continua podendo acessar as postagens anteriores.

Pesquisei se havia alguma forma de deletar postagens antigas de uma só vez, mas o que encontrei foi um script meio estranho, que resolvi não arriscar. A solução? Usar o modo braçal.

Conectei o Facebook pelo smartphone e fui até Registro de Atividades. Selecionei a opção Suas Publicações. Escolhi o ano 2010 e, um a um, fui deletando os posts antigos. Me surpreendi com tanta frase sem sentido que escrevi e, após um longo trabalho, consegui manter apenas os últimos posts. Deu trabalho, mas no final me senti aliviada.

Muitos podem me perguntar por que não excluí logo a minha conta, mas ainda gosto da facilidade que o Facebook nos proporciona, além dos grupos que participo. Estou conseguindo controlar muito mais meu tempo nas redes sociais e isso está me fazendo muito bem. Assim tenho mais tempo para a leitura, assistir um filme ou outras atividades, sem me sentir tanto presa à necessidade de saber o que os outros estão fazendo de tão interessante.

Não sei exatamente qual a política do Facebook quanto ao conteúdo que publicamos, talvez eles tenham mesmo um backup de tudo o que foi postado, mas só de saber que visivelmente não tenho mais tanta informação, como tinha antes, já me sinto melhor. Não me importo se o Facebook ou o Google mantém arquivado tudo o que faço na vida, pois não me acho importante a ponto de alguém de lá ter interesse em saber o que ando fazendo. Acho que esses riscos são maiores com funcionários do governo, políticos e figuras importantes ou com um poder financeiro alto. Mas não é por isso que devemos ignorar os riscos e expor nossas vidas online. Hoje tenho muito mais consciência sobre o que posto e compartilho, e é muito bom todos nós refletirmos.

A regra é simples: não escreva na internet nada que você não gostaria que fosse descoberto.

Crédito da foto: Pinterest

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr


comentários via facebook

11 comentários leave one →

  1. leandro

    post legal,
    um pensamentos que sempre devemos ter ao publicar algo é q na internet não se escreve a lápis, mas sim numa pedra !!

    e a nossa privacidade é algo q devemos manter !!

    gosto muito da forma como vc Camila escreve, parabénsss !!

    Responder
    • Camile Carvalho

      Verdade, Leandro! Se não queremos que ninguém saiba, é muito fácil. Basta não publicarmos =)

      Obrigada pelo elogio, espero que o blog seja muito útil para você. Volte sempre!

      Responder
  2. Josi

    adorei o artigo! muito obrigada pela dica, já estou usando o dropbox e estou adorando. bjs

    Responder
    • Camile Carvalho

      Que ótimo, Josi! Me conte depois se gostou do Dropbox!

      Volte sempre. =)

      Responder
  3. Anônimo

    adorei o artigo! muito obrigada pela dica, já estou usando o dropbox e estou adorando. bjs

    Responder
  4. Eu uso facebook para promoção profissional do meu trabalho como musicista… mas nada mais que isso. Tenho um certo pavor a pessoas que escrevem literalmente tudo, onde estão, o que estão ou vão fazer, pra quem fazem, com quem quem… Já descobri coisas bem tristes através de lá e por muito pequenas e simples que sejam é um ataque à privacidade. Neste momento tou passando o minimo de tempo no face (por isso nao tenho frequentado tanto seu grupo!) =)

    Responder
    • Camile Carvalho

      É muito chato mesmo termos como contato aquelas pessoas que contam até o que comeram no café da manhã. O pior é que sempre todos são muito felizes e têm uma vida perfeita. Eu penso, se fosse tão perfeito assim, não estariam escrevendo isso no Facebook, né? haha

      Ah, eu também estou passando pouco tempo no Facebook. Faz um bem danado!

      Responder
  5. Amanda

    Aconteceu o mesmo comigo, qdo deu uma geral no meu face, vi frases antigas que nem faziam sentido mais, e fiz como vc fez apaguei uma a uma

    Responder
    • Camile Carvalho

      Dá um trabalho mas no final compensa, né?
      🙂

      Responder
  6. Isso das redes sociais tem muito que se lhe diga. Se calhar também tenho de rever algumas coisas. Só tenho a acrescentar uma coisa, por experiência, já tentei apagar o meu facebook, no entanto, ao contrário de outras redes sociais que guardam a nossa informação por apenas 30 dias e a seguir apagam, a conta do facebook apenas pode ser desativada, o perfil apenas fica “escondido”, digamos assim, podemos voltar sempre que quisermos. Eu fiz uma experiência por cerca de 2 meses e desativei, não senti propriamente falta da bilhardice mas de alguns contactos de pessoas que têm os mesmos interesses do que nós. Assim, voltei a ativar a conta 🙂

    Responder