Simplicidade

A vida, ela é simples. Nós que complicamos.

por Camile Carvalho em 01/03/2017

Eu acredito muito que o caminho em busca de uma vida simples é cheio de voltas, bifurcações e retornos. Andamos na linha por um momento, mas do nada acabamos nos distraindo com aquela estrada cheia de coisas, belezas, informações, e quando damos conta, já estamos longe da estrada principal. E está tudo bem.

Assim sinto minha vida. Há momentos de maiores distrações, só que, mais importante que se manter reto em uma estrada única – o que seria um tanto entediante – é o retorno aos nossos princípios. O retorno dá um gás que talvez não tivéssemos antes – por isso termos nos distanciado – e faz com que reavaliemos nossos planos, direções e princípios sobre os quais nos baseamos.

Nossa jornada é cheia de flores, mata seca, rios e penhascos. Em um momento estamos felizes com a paisagem, em outros, insatisfeitos. E isso é normal. Cada pedaço da estrada faz parte de um todo, algo muito maior que só lá na frente compreenderemos melhor, ou não.

Já faz um tempo que me distraí com o consumo. Saí dos trilhos, comprei sem pensar, criei novos projetos (minha mente é super criativa) mas, assim como os comecei, desanimei. Porque no fundo de tudo, havia algo que me dizia “vai, pode ir, tente. Mas você sabe que seu caminho é este aqui“. E isso me fez perceber que tudo bem mudar. Tudo bem voltar atrás. Tudo bem fazer escolhas mesmo com uma voz fraca perguntando “tem certeza?”.

Sou da opinião que devemos tentar, arriscar, ser um pouco imprudentes e deixar o lado racional de cérebro um pouco no modo silencioso. Seguir o coração pode nos trazer experiências incríveis, dando elas certo ou não, já que tudo é experiência. Aprendemos em cada tropeço, em cada escolha, em cada erro e acerto.

No começo do ano tomei uma decisão de reduzir ~mesmo~ minhas distrações na internet. É um processo lento e árduo pra quem fica 24hs por dia conectada. Pra quem atualiza uma página sobre yoga, outra sobre minimalismo, aprova novos membros e postagens em grupos do facebook, posta no instagram, responde email… ufa! A lista é longa. E então decidi simplificar. Todas as minhas páginas foram mescladas em uma só, essa aqui. Simplificar. Palavrinha linda, porém difícil de vivenciar.

Aos poucos vou reunindo tudo em um ponto, o mínimo possível, embora estar nas redes sociais seja uma forma de divulgação do meu trabalho como professora de yoga. Quero minimalizar, trazer mais conteúdo de qualidade, reunindo tudo em poucos espaços de forma simples, sem pressa e com mais dedicação. Menos é mais.

Vamos aproveitar a energia de novos inícios e de transformação de 2017? O que você tem feito por uma vida mais plena, realizada e com propósito? O que você pode fazer hoje por uma grande mudança de vida? Às vezes um pequeno passo é o início de uma revolução. Vamos?

imagem: cupcake

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comportamento

Como mudar a vida se não tenho tempo?

por Camile Carvalho em 28/02/2017

Como mudar a vida se não tenho tempo?

“Como mudar a vida se não tenho tempo? Minha rotina não permite mudanças.” é uma das frases mais comuns quando falamos sobre transformação pessoal. Queremos mudar, nos tornarmos uma pessoa melhor, alcançar nossos objetivos e conquistar a felicidade, mas na maioria das vezes, não conseguimos identificar como por em prática tais mudanças na nossa rotina diária corrida.

E então continuamos acordando, ainda sonolentos pegamos o celular e ficamos enrolando na cama olhando as redes sociais. Quando finalmente saímos da cama, já com o horário apertado, corremos pra tomar um café da manhã com aquele pão francês e margarina. Correndo, claro, pois já estamos atrasados pro trabalho. Então enfrentamos um trânsito caótico, chegamos estressados e uma pilha de coisas a fazer nos tira do sério. Horário do almoço, finalmente, entramos em um fast food e compramos um combo de sanduíche, coca-cola e batata frita. Eu sei, eu sei que almoçar comida sai caro – como se o combo fosse barato – e à noite, quando chegamos cansados, ligamos a TV, zapeamos por vários canais e logo chega a hora de dormir.

É claro que a rotina de muitos não é exatamente como ilustrei, mas na maioria das vezes, estamos insatisfeitos com algo e sonhamos com uma mudança de vida. Queremos algo novo, diferente, que nos impulsione, que faça nossos olhos brilharem. Mas… como encaixar essa nova vida em uma rotina estressante de estudo/trabalho? “Não tenho tempo pra isso“, muitos podem se justificar, esquecendo que o tempo jamais se estenderá de acordo com a nossa vontade, mas podemos mudar nossas prioridades.

A verdade é que nenhuma mudança acontecerá caso continuemos agindo da mesma maneira. Para fazermos uma grande transformação de hábitos, precisamos dar o primeiro passo. 

É como aqueles pequenos gastos que fazemos ao longo do dia. Uma balinha aqui, um cafezinho ali, e quando vemos, chegamos ao fim do mês sem dinheiro. Que tal prestar atenção à sua rotina e identificar onde você está gastando seu tempo de forma desnecessária, vazia? E se você ao acordar, ao invés de ficar checando suas redes sociais, levantasse da cama, tomasse um banho e sentasse 5 minutos pra meditar?

Identifique esses buracos-negros em seu dia-a-dia e pense com o que você pode usar esse tempo para algo útil, e que esteja alinhado ao seu propósito ou sonho? A grande transformação está nos pequenos detalhes. Não espere que da noite pro dia, você consiga uma grande lacuna de tempo pra trabalhar em seus grandes projetos. Isso dificilmente vai acontecer. Encontre este tempo nos intervalos, nos minutos que você perde à toa. Porque afinal, como você quer obter resultados diferentes se continua fazendo tudo exatamente igual, dia após dia?

Me conte, você tem um grande sonho pra realizar? Como anda gastando seu tempo? 

Imagem: life of pix

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Comportamento

Quando desapegar dói

por Camile Carvalho em 22/02/2017

Geralmente eu venho aqui no blog com muita alegria em minhas palavras falar sobre os desapegos que fiz e o que aprendi com cada um deles. Porém, hoje o texto será um pouco diferente. Hoje parece que minha arrumação não foi como as anteriores.

Não sei se devido aos astros ou por algum outro motivo, hoje decidi organizar minha loja no enjoei e colocar novos itens à venda. Mexi nos preços de algumas coisas, coloquei outras em promoção, e empolgada a desapegar de algumas outras peças, abri a porta do meu armário. A diferença é que não foi a mesma porta de sempre, mas sim, uma onde guardo meus vestidos e saias, e que quase não acesso pelo simples motivo de raramente usar os vestidos e as saias que ali estão.

Peguei uma por uma e, sentindo a energia, fui colocando sobre minha cama. Algumas saias fizeram parte de um período muito importante pra mim, outras, sequer usei. Naquelas compras por impulso acabei trazendo pra casa, esperando um dia, quem sabe, talvez, e o dia jamais chegou.

Expectativas, creio eu, giram em torno de roupas que compramos. Talvez pra nos enquadrarmos em um determinado estilo, ou para usarmos em um dia especial que nunca chega. A questão é que mexi numa parte que sempre pulo na hora do declutter justamente por ter ali roupas boas, novas e que não foram usadas no meu dia-a-dia. São aquelas roupas que sempre tive a certeza de que não teria nada pra desapegar. Certezas…

Vesti algumas peças pra fotografar pro enjoei, outras, fiz a foto do próprio cabide. E enquanto eu fotografava, uma pilha de roupas se fazia sobre a minha cama. Aquelas roupas que marcaram uma época em que eu gostava de me vestir de preto, usar meias-calças e botas para o “inverno” carioca. Eu tinha outra mentalidade, outros pensamentos. Ainda não tinha voltado a praticar yoga (fiquei uns anos sem praticar antes de me tornar professora) e parece que, num passe de mágica, todas aquelas memórias vieram à tona.

Pessoas, paixões, certezas que hoje me fazem sorrir com o canto da boca. Certezas… e uma série de reflexões ocuparam a minha mente. Cada dia aprendemos algo diferente, cada dia uma certeza se vai com o fluxo do rio. E eu, sendo a pessoa que comprava e às vezes vestia aquelas roupas cheia de certezas, tornei-me hoje uma pessoa mais flexível, dentro da minha compreensão de presente. E o melhor de tudo é que daqui a alguns anos estarei revendo as roupas que uso hoje e pensarei o mesmo: que eu era cheia de certezas que enfim foram desmanchadas como castelos de areia.

Uma angústia tomou conta de mim enquanto cadastrava as roupas no site. Senti um misto de tristeza com decepção, algo que não sei bem explicar. Não era pelas roupas, mas talvez por não tê-las passado adiante ainda. Resolvi então tomar um banho quente, deixar a água cair e lavar a minha alma de todas as certezas que tenho hoje, de todos os apegos passados e de tudo que ainda há em mim que não consigo enxergar. Chorei, como se estivesse me libertando de amarras passadas que ainda não tinha percebido. Lembrei-me que estamos em lua minguante, o período ideal pra desapegos, pra deixar ir…

Voltei, dessa vez mais leve. Sentei-me em frente ao computador e continuei o cadastro, agora feliz. Feliz por passar adiante algo que guardava sem motivo algum. Feliz por abrir espaço em minha casa. Feliz por me sentir mais leve, por abençoar cada peça que tirei do meu guarda-roupas e por fazer as pazes com algo do meu passado que ainda estava me limitando a voar mais alto.

Percebi que quando começamos a desapegar, é como se estivéssemos removendo as camadas mais externas. É muito fácil. Sempre temos algo que podemos facilmente nos livrar. Agora, quanto mais desapegamos, mais atingimos as camadas internas, aquelas que não queremos remexer muito pra não levantar a sujeira do fundo do aquário. E são essas as sujeiras com as quais devemos lidar. Cada um em seu próprio tempo.

Sinto-me mais leve só de ter lidado com tais peças de roupas e com tais sentimentos. Aos poucos, vou quebrando elos que ainda me prendem a um passado que não sou mais eu. Eu só sou essa, no momento presente. Que o passado fique no passado e que o futuro permaneça no futuro. Hoje é o dia de viver, apenas hoje.

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas12345678... 82»