12/04/2013

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma

Categoria: Pensamentos

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma

Muito tenho lido ultimamente sobre sustentabilidade, consciência ambiental, bem-estar, e me pergunto: O que o homem quer, afinal? Quanto vale o nosso progresso? Estamos destruindo o meio em que vivemos, em busca do quê? Aonde queremos chegar? São vários questionamentos, alguns dão respostas, ensaios, escritas, reflexões e filosofias, mas nada é concreto. Estamos em uma situação estranha, algo não-palpável, sequer temos uma ideologia. Será que é certo nos deixarmos ser levados pela correnteza? Aonde vamos chegar?

Encontrei-me com um grande amigo essa semana. Conversamos bastante – não o suficiente – mas uma coisa que ele me disse ficou como eco na minha mente. “Perdi as esperanças na humanidade, em tudo, em mim, em Deus. Olha no que o ser humano se tornou! Quanta crueldade! Vejo animais sendo maltratados, pessoas, idosos, crianças… O que é isso?

Em uma época em que cuidar da vida/sexualidade/religião do outro é mais importante, do que cuidar de sua própria estrutura familiar, suas metas e ações, também não sei o que esperar do homem. Será isso tudo um grande pesadelo? Será que tudo vai mudar um dia e viveremos em harmonia e paz? Quantas guerras acontecendo, outras prestes a estourar, tudo pelo domínio e egocentrismo. Dinheiro, poder, ganância. Não podemos acabar com a violência e corrupção, mas podemos fazer do nosso ambiente um lugar melhor. Quem nos representa, afinal? O que podemos fazer para lutarmos por um futuro melhor para nossos descendentes? Será mesmo que não há saída? Estamos destinados a viver em um mundo cruel e hostil a nós mesmos? Eu acredito em algo melhor. Mas esse “algo” não virá de fora, nem dos céus, tem que vir de dentro de cada um de nós. O que podemos fazer no nosso dia a dia? Vamos sorrir mais, problematizar menos, conversar mais, brigar menos. Tem que haver uma solução. O que não podemos é esperar sentados. Somos muitos e podemos fazer muita coisa bonita ainda. O que vocês pensam sobre isso?

{O título do post é um trecho da música “Paciência” de Lenine}

Tag:

comentários via facebook

9 comentários leave one →

  1. Jessica de Oliveira

    Acho q as pessoas tão apressadas demais para se importarem. Vc vê mais gente por ai orgulhosa de "me vinguei daquela bitch" do q "fiz bem para alguém hj!". Eu não sei se é a humanidade, se é uma coisa mais puxada para o egoísmo capitalista, não sei mesmo. Eu sou como seu amigo: já perdi as esperanças. Não tenho um pingo mesmo. Mas a gente continua tentando não? Sei lá, teimosia, esperança disfarçada.
    Eu não sou religiosa (deuses, jamais), mas se tem algo q eles dizem q eu concordo é "amai uns aos outros". Sabe, a gente não quer amar uns aos outros, a gente quer ser mais do q os outros. A gente quer jogar na cara o nosso descontentamento com algo ao invés de chegar para aqueles q a gente gosta e dizer um simples "gosto de vc" ou elogiar o cabelo, a roupa…minimas coisas fazem bem. Mas não, as pessoas preferem usar palavras duras e machucar. Pessoas adoram machucar.
    E como alguém desse tipo pode parar pra pensar "Nossa, olha o mundo como tá!", ninguém quer parar pra pensar. Pensar dá trabalho, toma tempo. E tempo é dinheiro afinal né?

    Responder
    • Infelismente mt pessoas so importam com si mesma

      Responder
      • Camile Carvalho

        É verdade, Aline. É uma pena que nem todos pensam no outro, vivemos em um mundo completamente individualista.

        Responder
    • Camile Carvalho

      Oi, Jessi!
      Se pensarmos demais acabamos desistindo, mas sempre há algo que nos faz continuar. Será o ser humano uma espécie persistente?

      Volte sempre e deixe seu comentário, é muito importante e bom saber a opinião dos leitores.

      :)

      Responder
  2. Jarbas dos Santos Gomes

    Boa noite!

    Nosso ambiente de trabalho é um microcosmo, refletindo as ações da sociedade, com representantes das mais variadas opiniões, com as quais temos que interagir. Hoje, conversando com um amigo sobre as adversidades para resolver inúmeros problemas, perguntei se vale a pena lutar com tantos contratempos, em busca de soluções para uma área a caminho do colapso, como tantas outras: assistência médica (eu trabalho numa operadora de saúde). Não parece uma luta inglória? Sistemas ineficientes para um público cada vez mais doente. O mesmo me respondeu com uma conversa que teve com seu médico acupunturista: apesar do aparente caos, devemos nos manter firmes em nossos propósitos e valores, fazendo o possível para contribuir para um mundo melhor, pois é justamente de nós que este mundo melhor depende para se tornar realidade.
    Abraço!

    Responder
    • Camile Carvalho

      Boa noite, Jarbas!

      Olha, eu concordo com seu questionamento mas também concordo com a resposta que seu amigo lhe deu. Se os poucos que têm esperança, as perderem, o que será de nós? Acho que essa estrutura se sustenta com a força e persistência de poucos. Imagine só se mais pessoas colaborassem, como seria tudo bem melhor! Mas infelizmente não é o que vemos. Não podemos desistir, há sempre alguém que precisa mais do que nós e é por eles que devemos continuar a luta.

      Volte sempre!

      Responder
  3. rodrigo

    Conforme ja foi dito ha tempos: para o mau prevalecer, basta os bom se calarem. Nao podemos perder a esperanca (e a acao) em dias melhores jamais.

    Responder
  4. Camila, queria te agradecer por falar sobre o GTD. acho que era tudo que eu precisava neste momento. comprei o livro – no kindle, meu brinquedinho de leitura minimalista – e já estou empolgada com as perspectivas. minha vida tá muuuuuuuuuito corrida e preciso me organizar mais – meu nivel atual de organização não tá dando conta.
    VAleu muito a dica!
    bjs
    Emilia

    Responder
    • Camile Carvalho

      Olá, Emilia! Está gostando do Kindle?

      Olha, você vai ver como sua vida vai clarear. Tudo o que precisamos é de um método de organização pessoal, ou pelo menos nos dar conta de que estamos desorganizados. O primeiro passo você já deu, se quiser, entre em contato comigo para trocarmos ideias. Aceito sugestões para artigos. Seja muito bem vinda e obrigada pelo elogio!

      Responder