Beleza & Saúde

O melhor remédio encontramos na feira

por Camile Carvalho em 27/08/2013

caneca_minimalista

Ultimamente tenho escrito de forma mais pessoal e foi assim que meu blog começou: para falar sobre minhas descobertas em um caminho mais minimalista, mais simples, descomplicado. E hoje não será diferente.

A semana que passou, todos aqui em casa pegaram uma gripe forte, começando pelo meu pai, que passou para minha mãe, e por fim, eu. Como de praxe, todos ficaram “de cama” por um ou dois dias, tomando aquela série de medicamentos como Vitamina C, Paracetamol entre outros comprimidos milagrosos que aliviam as dores do corpo nesse momento. No entanto, minha mãe não reagiu bem ao Paracetamol, ficando com a pressão baixa e palpitação. Foi quando eu dei a palavra de ordem: chega de remédios.

Não existe um medicamento que cure o vírus da gripe. Todo o processo do ciclo de replicação viral até que os anticorpos consigam combatê-los dura em média uma semana e não há remédio que antecipe essa cura. Os medicamentos que tomamos atuam nos sintomas, como o mal estar e as dores no corpo. Nosso maior exército é o nosso próprio organismo, que conta com defesas específicas para esse tipo de infecção. O melhor remédio? Dar o “alimento certo aos nossos soldados” para que enfrentem melhor essa batalha contra o antígeno, no caso, o vírus.

Fizemos um panelão de chá para toda a família. Não sou expert em cozinha, mas deixo aqui a dica dos ingredientes: Açúcar queimado (não exagerem na quantidade) com gengibre, pau de canela, limão, alho e um pouco de mel. Para a alimentação, um sopão de legumes, o máximo que conseguirmos concentrar. Apelidamos esse conjunto de “levanta defunto”.

É muito prático termos comprimidos efervescentes de Vitamina C em casa, mas não seria muito mais prático – e barato – comprarmos laranjas ou limões para fazermos um suco? A mecanização das nossas vidas nos fizeram acreditar que o natural não resolve, que chás não funcionam, que isso tudo é uma crendice. Não caiam nessa! O melhor remédio encontramos nas feiras, principalmente nos casos de gripe. Depois que minha mãe melhorou, chegou a minha vez, e eu – como sempre – me recusei a ingerir qualquer medicamento. Fiz o mesmo esquema de frutas e legumes, copão de suco de laranja, limonada, e estou aqui, me sentindo bem e já sem sintoma de gripe.

O Brasil tem um sério problema de automedicação e devemos nos vigiar quanto a isso. Não existe isso de “ao persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado”. Não deixemos que a indústria farmacêutica nos empurrem o que quiserem para ingerirmos. Cuidemos no nosso corpo, da nossa saúde. Vamos ter mais consciência, buscar informações. Quantas pessoas tomam antibiótico quando estão gripadas? Antibiótico combate bactérias e não vírus! O excesso do uso de antibiótico faz com que nosso organismo adquira uma resistência e, quando realmente precisarmos, não obteremos sucesso com o tratamento, tendo que ser administrado um mais forte, e assim por diante.

Minimalismo também é isso: buscar soluções mais simples para problemas não tão graves. Vamos deixar o medicamento para quando realmente precisarmos? Vamos comprar mais frutas e legumes, e principalmente, ingerir água? Uma boa alimentação é essencial para mantermos a nossa saúde.

536749_440070122778176_47463542_n

Por um mundo com mais suco de laranja.

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr


comentários via facebook

10 comentários leave one →

  1. Luciana

    Adorei o post e concordo com cada letrinha escrita. Já faço isso desde a adolescência( hj tenho 38) quando eu lia revista Capricho – sim, tinham matérias sobre alimentação e saúde . Sempre fui muito ligada nesse área e tento fazer o
    que é o certo ou ideal. Os melhores remédios encontramos na feira, sempre!

    Responder
    • Camile Carvalho

      Com certeza! A natureza é muito sábia!

      Responder
  2. Ana

    Apesar de tudo recuso-me sempre a tomar medicamentos (seja dores ou o que for), só em casos mesmo muito graves. Muito obrigada pela dica!

    Responder
    • Camile Carvalho

      De nada, Ana! 🙂

      Responder
  3. Soraia

    A pouco tempo atrás peguei uma forte gripe, com direito a tosse incessante. Tomei vários medicamentos, anti-gripais, anti-alergicos, xaropes e nada adiantava. Até que resolvi dar um basta nessa montoeira de drogas que eu estava colocando no meu organismo. Fui atrás da medicina natural (que para falar a verdade sempre deu certo para mim), comprei ervas para fazer chá: erva cidreira, poejo, guaco, capim limão, folhas de mangueira, orégano. Resultado: rápidinho melhorei.

    Responder
    • Camile Carvalho

      Não tem coisa melhor que a medicina natural!

      Responder
  4. Bruna

    Adorei a dica, Carol. Gosto MUITO de levar uma alimentação saudável no meu dia a dia. Gosto de comer bem e cuidar do meu corpo não só pela questão estética mas pela saúde mesmo!

    Responder
    • Camile Carvalho

      Somos o que comemos! Se nos alimentamos bem, dificilmente ficaremos doentes. Claro que há casos em que precisamos de medicamentos mais fortes, mas se pudermos evitar, é melhor ainda 🙂

      Responder
  5. Sara

    Olá!
    Gostaria apenas de fazer uma pequena correção técnica hehehehe, o consumo inadequado de antibióticos não torna nosso corpo resistente mas sim causa uma seleção de bactérias resistentes! No final o efeito perigoso é quase o mesmo, mas pior ainda!

    Para ilustrar: quando tomamos um antibiótico ele vai matar um tipo de bactéria que tem uma caracteristica especial, aquelas que não tem essa caracteristica conseguem escapar e sobrevivem, e agora com o espaço só pra elas se reproduzem mais, podem fazer mal do mesmo jeito e pra piorar se tomarmos o mesmo medicamento, não vai adiantar nada!!

    Além disso o que o nosso corpo não consegue usar, vai embora no xixi, no suor… indo tudo pro meio- ambiente, pra nossa água , fazendo essa seleção de bactérias resistentes se alastrar! Então o cenário é ainda pior!

    Muito boa a matéria!!

    Responder
    • Obrigada pela correção, Sara! Uma pena que a situação seja pior do que as pessoas pensam…

      Responder