Mindfulness

Meditação: dicas para viver no momento presente

por Camile Carvalho em 21/06/2017

Meditação é mais simples do que parece | Como meditar | Vida Minimalista #vidaminimalista

Sempre gostei de meditação, mas tinha dificuldade para meditar. Achava lindo sentar em lótus, fazer uma postura com a coluna alinhada e fechar os olhos, mas no fundo, achava que aquilo não era pra mim. Ariana que sou, com a mente agitada, meus pensamentos vagavam por um limbo que sabe-se lá onde estavam. Definitivamente, meditar não era pra mim.

Assim como eu pensava, muitos podem ter a ideia de que a meditação combina com ambientes monásticos, pessoas austeras e muita seriedade. Mas eu vou contar uma verdade a vocês: a meditação, quando passa a fazer parte da sua rotina, se torna divertida, um lugar de paz para o qual queremos voltar sempre.

Não vou dizer que é fácil, que não sentimos câimbra nas pernas, que tem dias que queremos apenas nos levantar e fazer as tarefas do dia. Mas também não é verdade que meditar é pra quem já é zen, tranquilo. Assim como pessoas praticam musculação para fortalecer a musculatura aos poucos, a meditação também deve ser uma prática diária para que possa tornar-se uma rotina. Após um bom tempo praticando a meditação, hoje venho trazer alguns tópicos para esclarecer algumas dúvidas comuns sobre meditar.

Principais dúvidas sobre a meditação:

1. Meditação não é religião. Embora associado ao budismo e hinduísmo, quando você interioriza seus pensamentos, volta para si e traz sua mente para o momento presente, você está meditando. Porém, se você é religioso e reserva um momento para fazer suas orações, também é uma forma de meditação. A meditação faz parte de algumas religiões mas é uma ferramenta, uma técnica que pode ser feita independentemente de crenças.

2. Não precisa de muitos preparos. Esqueça aplicativos, meditações guiadas, CDs, músicas para meditação, almofadas especiais ou roupas próprias. Meditação é simples, basta sentar-se confortavelmente, alinhar sua coluna, fechar os olhos e trazer a atenção para a sua respiração. Pronto, o primeiro passo já foi dado.

3. Não encare como um desafio. Se você já senta-se pensando que vai ser um tormento ficar os próximos 5 minutos sem fazer nada, você vai passar 5 minutos agoniado para acabar logo. Vá sem expectativas, apenas sente-se e tranquilize sua mente. Se quiser, coloque um alarme ou contador com o tempo que achar necessário, mas não se prenda a isso. Deixe o tempo fluir.

4. Existem diferentes técnicas de meditação (com mantras, cantando, ouvindo sons etc.) mas no começo, tente apenas reservar diariamente um momento só seu, em silêncio. Caso fique muito difícil concentrar-se com os olhos fechados, experimente acender uma vela à sua frente e observar o movimento da chama.

5. Comece devagar. Você não precisa começar com o tradicional Zazen por 30 ou 45 minutos. Experimente 5 minutos no começo. Vai ser difícil, sim, eu sei. Porém, com o tempo, você perceberá que 5 minutos passam voando, e quando se der conta, 10 minutos já terão passado. Não se cobre, não tenha pressa, aumente seu tempo de meditação de acordo com seu progresso, com sua disponibilidade. É melhor meditar todos os dias 5 minutinhos do que se comprometer a fazer uma longa meditação diária e parar no segundo dia.

Meditar ajuda a trazermos a mente para o agora

Quando vivemos no passado, a tendência é que nos tornemos pessoas angustiadas, deprimidas, pensando no que poderia ter feito e não fizemos. Pensando nas pessoas que nos magoaram, e então carregamos em nossa mochila da vida um grande peso o qual não precisamos carregar. Quando vivemos no futuro, nos tornamos ansiosos, tentando antecipar os fatos que ainda não aconteceram.

Nestas duas situações, nos desconectamos do momento presente, do aqui e agora, o único momento em que nossas vidas de fato acontecem. Não é errado, no entanto, recordar do passado nem planejar o futuro. A questão é que quando nos desconectamos da nossa vida no agora, saímos do estado de atenção plena e a vida passa por nós de forma automática.

Experimente hoje, agora, apenas fechar os olhos e prestar atenção no ar que entra e sai pelas narinas. Alinhe sua coluna, relaxe suas mãos sobre suas pernas e apenas respire. A meditação é uma ferramenta muito poderosa que nos traz de volta ao estado Mindfulness, ou atenção plena. Toda vez que se sentir desconectado de sua realidade, traga sua mente para o agora. Não deixe sua vida passar diante seus olhos, perceba os detalhes, os pequenos momentos. Valorize o seu momento, pois a única coisa que temos é o agora.

E você, pratica meditação? Já experimentou? Quais suas dificuldades? Compartilhe aqui conosco nos comentários!

imagem: Pixabay

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Não, seu amigo do Instagram não tem uma vida perfeita!

por Camile Carvalho em 17/06/2017

Não, seu amigo do Instagram não tem uma vida perfeita! | Blog Camile Carvalho - Vida Minimalista

Mais uma vez aqui estou eu pra conversar sobre redes sociais. Falei aqui outro dia sobre o Instagram e a verdade, e a medida que tomei bloqueando todos os perfis fakes, pornográficos e inativos que me seguiam e que massageava meu ego, me fazendo lembrar todo dia que eu tinha aquela quantidade de seguidores. Hoje, venho trazer uma reflexão que me ocorreu hoje pela manhã: o estar bem em seu próprio silêncio.

Eu gosto de ficar sozinha, mas não foi sempre assim. Antes, queria reunir amigos, sair pra barzinhos, fazer alguma coisa, menos ficar em casa. Nunca fui de noitada, mas um bom café com amigos no shopping me tiravam de casa, da sensação de estar sozinha, e isso me fazia bem.

O tempo foi passando, comecei a praticar yoga, meditação, e aos poucos aprendi a estar bem comigo mesma. Hoje fujo de agitos. Gosto de passar um fim de semana inteirinho em casa, com meus livros, com minha escrita… organizando a casa, cuidando do que é meu, meditando e curtindo a calma. E isso é tão bom!

Porém, às vezes dou uma olhada pelo Instagram e vejo amigos passeando, viajando, em festas ou passeios, mostrando que têm vida social bastante ativa. Por um segundo me pego pensando que queria estar assim, curtindo, com uma vida social bem agitada, mas logo vem o questionamento: será? Será mesmo?

Não, talvez eu não gostaria. Está tão bom aqui! Olho ao redor e sorrio, percebendo que esta aura que me cerca, meus livros sobre a mesinha de centro, minha rede balançando com o vento e o café quentinho ao meu lado me fazem feliz. Não, eu não queria ser outra pessoa, estar no lugar de outra pessoa e nem com outras pessoas. Isso não me torna um ser fechado, acredito que temos momentos para tudo, mas hoje, agora, neste exato momento, estou feliz.

O que percebo, no entanto, é que as redes sociais nem sempre mostram a verdade. Esses dias saiu uma matéria na Super Exame que fala que o Instagram é a rede social mais prejudicial à saúde mental. Jovens e adultos sentem suas vidas paradas, estagnadas, ou desenvolvem a síndrome FOMO (sensação de estar perdendo algo). Mas a culpa não é do Instagram, Facebook ou outra rede. Somos nós quem escolhemos como vamos nos comportar com estas ferramentas.

Nem sempre aquela foto daquela amiga sorrindo em uma viagem paradisíaca está refletindo sua verdade. Nem sempre estar em movimento, no agito, na diversão, significa felicidade, e aprender a estar bem comigo mesma foi a melhor coisa que fiz. Saber aproveitar a tranquilidade, o cantar dos pássaros, o cheiro do café passando, o sol se pondo, é uma dádiva. E estes momentos são únicos, nossos.

Olhe para você. Olhe ao seu redor. Será que sua vida é tão menor que a dos outros que compartilham sua felicidade nas redes sociais? Vamos aprender a valorizar nossos momentos? Aprender a lidar com o nosso silêncio?

No livro Silêncio, o poder da quietude num mundo barulhento, o monge budista Thich Nhat Hahn diz que:

“O silêncio é, sobretudo, algo que vem do coração, não de um conjunto de condições externas ao nosso corpo. Viver em um local silencioso não significa passar a vida mudo, sem se envolver nem fazer nada. Simplesmente significa que não somos perturbados por dentro, não há um falatório constante.” – pág. 67

Aprender a lidar com o nosso silêncio, a estar em quietude, aproveitando quem somos, onde estamos e o que estamos fazendo é fundamental. Não se comparar com a vida dos outros – ou melhor, com o que mostram nas redes sociais – é importante para que possamos valorizar nossa realidade. A vida de ninguém é perfeita, mas por que não olhar ao nosso redor e sermos gratos pela nossa realidade?

Experimente sentar-se quieto onde você está. Fechar os olhos por alguns minutos e apenas prestar atenção à sua respiração. A felicidade verdadeira, as respostas as quais buscamos, está tudo aqui dentro, não fora. Você pode estar no lugar mais lindo do mundo, mas se não estiver bem consigo mesmo, não estará feliz. Mas você pode estar sozinho, quieto em casa, em um lindo sábado de sol, e sorrir, simplesmente porque está em paz, está curtindo seu momento e saber que aquelas vidas que passam pela sua timeline não é a sua, e não há motivo nenhum para se sentir mal por não estar lá.

imagem: Pixabay

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Minimalismo

Vida Minimalista: algumas considerações

por Camile Carvalho em 11/06/2017

Vida Minimalista: algumas considerações | Camile Carvalho - Vida Minimalista

Um belo dia, resolvi criar o grupo do facebook com o mesmo nome do blog (Vida Minimalista) pra reunir leitores e amigos que buscavam informações sobre minimalismo e simplicidade. O grupo cresceu e hoje contamos com mais de 13 mil membros (e cada dia aprovo em torno de 100 pessoas novas).

A troca de informações é linda. Pessoas começando a repensar seus hábitos de consumo, outras que já vivem uma vida simples passando suas experiências, mas há alguns pontos que acho necessário trazer aqui pra debatermos:

O minimalismo como um fim

Reduzir seus pertences e manter o que você ama é uma ferramenta, um caminho. Quando conseguimos analisar nossas vidas, estabelecer prioridades e trabalhar o desapego, conseguimos mudar de forma global nossas vidas, relacionamentos e forma de encarar o mundo. Passamos a repensar nossos hábitos de consumo, a ter uma visão ampla de como nossos hábitos influenciam tudo ao nosso redor e passamos a nos tornar co-responsáveis pelo planeta. No entanto, o que percebo às vezes são pessoas querendo chegar a um determinado número de itens, peças de roupas etc. pelo simples prazer de falar “tenho X itens, sou minimalista”. Mas, será que em todos os casos a pessoa está feliz? Minimalismo não é um fim, uma meta, mas sim um caminho pra algo muito mais importante.

O minimalismo como privação

Puxando o gancho do tópico anterior, quando encaramos o estilo de vida minimalista como uma privação, isso vai gerar sofrimento. Tudo bem manter sua coleção de CDs, caso você goste, ouça faça uso. Tudo bem também manter seus livros, sapatos, o que for, contanto que tudo isso esteja em constante movimento. Claro que sempre dá pra doar alguns, nossos gostos mudam ao longo do tempo, mas minimalismo é encontrar a felicidade nas pequenas coisas, ter ao seu redor aquilo que você realmente ama e não viver com menos num constante estado de privação e angústia.

Cada um tem suas necessidades

Vejo muitas perguntas sobre quantidade correta. Quantas blusas devo ter? Quantas calças? O que esquecemos é que cada pessoa tem uma rotina de trabalho, atividades e diversão diferente. Não dá pra esperar que uma advogada que trabalha com roupas mais clássicas tenha o mesmo guarda-roupas que uma professora de yoga que passa o dia de legging e tênis. Somos diferentes! Portanto, deixar pra trás a fixação por quantidades é uma forma de desapego. Que tal começarmos a trabalhar nisso também?

Inspire-se, não copie

Já que cada um tem necessidades diferentes, não tente seguir o esquema que o colega faz. Claro que é sempre bom compartilharmos um pouco de nossas vidas a fim de inspirar outras pessoas, mas jamais sinta-se obrigado a seguir o mesmo padrão que os outros. Você é único, pegue as ideias e adapte-as de acordo com sua realidade. Há alguns que moram na cidade, outros que moram no campo. Uns são aposentados, outros estão na faculdade e trabalham o dia inteiro. Seja flexível e não absorva críticas caso alguém fale que a sua forma de viver não é minimalista. Cada um sabe de sua própria história e apenas nós mesmos podemos olhar pra si e fazer uma autoanálise. Além do mais, não estamos em busca de rótulos, mas sim qualidade de vida e responsabilidade para com nosso planeta.

Desapegue do rótulo

Não há troféu para quem tiver menos. Não há competição. Não há punição com a perda de título minimalista caso você vá ao shopping e compre uma blusa por impulso. Esqueça tudo isso, não se cobre. Estar atento e consciente à forma como você lida com o dinheiro e consumo é uma coisa. Estar preso em um rótulo no qual você se pune por ter saído das regras, é outra totalmente diferente. Faça suas regras, analise suas necessidades e sempre se pergunte “eu preciso MESMO disso?”. Assim vamos aprendendo a observar nosso consumo de dentro pra fora, jamais por uma pressão externa.

Preto e branco não significa nada!

Houve uma época em que eu notava que muitos adeptos ao estilo de vida minimalista estava trocando o guarda-roupas por peças em preto, branco e cinza com bolinhas, listras etc. Desapegue disso! Você pode SIM usar saias floridas, calças estampadas, peças alegres e cheias de babados. Seja você mesmo! Jamais mude seu estilo pessoal pra seguir uma tendência externa. Vida minimalista não é estilo minimalista. Você pode ter roupas em preto e branco, mas que estão jogadas no fundo do armário sem uso e continuar sendo consumista comprando mais e mais peças assim por serem no estilo minimalista. Mas você pode vestir peças alegres, estampadas, coloridas e ter um armário enxuto com roupas que você realmente ama e não ter a ansiedade de comprar mais e mais. Seja você!

Cuidado com o ego

Você não é melhor que o outro por ser minimalista/vegano/iogue/zen/cristão o que for. Quando nos rotulamos com algo e logo pensamos que estamos no topo e os outros estão abaixo, é sinal de que o ego está dominando sua mente. Seja o exemplo que você quer ver no mundo, mostre quanto sua vida melhorou depois que você adotou algumas medidas, mas sem apontar o dedo a ninguém. Se considerar minimalista com o ego esvoaçante não vai te ajudar em nada. Apontar o dedo aos outros e dizer que aquilo é ou não minimalismo (ou qualquer outro rótulo), também não. Seja uma pessoa legal. Estenda sua mão a quem está começando. Inspire outras pessoas. Explique com carinho o porquê da sua decisão, sem criticar quem ainda não conhece. Ganhar status – e mantê-lo – por causa de um rótulo não é liberdade, mas sim prisão.

Espero ter esclarecido alguns tópicos os quais percebo que são os que mais geram debates no grupo. Lembre-se sempre que seu estilo de vida é uma forma de autoconhecimento, de olhar para dentro e pensar o que você pode transformar internamente para ser uma pessoa melhor para si, para os outros e para o meio em que você vive. É olhar para seus hábitos e refletir se você está agindo de forma egoísta, pensando apenas em você e seus prazeres, ou se está agindo com responsabilidade.

Que possamos ser mais leves! Vamos compartilhar ideias sobre isso? Espero vocês aqui nos comentários. 🙂

imagem: Pixabay

Compartilhe:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas12345... 82»