O minimalismo e a quantidade

05/07/2015

O minimalismo e a quantidade | #vidaminimalista

Quando conheci o conceito do minimalismo, não havia muitas pessoas escrevendo sobre isso, nem em blogs nem em livros. Blogs como Zen Habits, Be More With Less, Unclutterer entre outros eram algumas de minhas fontes de inspiração sobre o assunto, e quanto mais eu os lia, mais olhava ao meu redor e me sentia sufocada com tantos pertences que havia acumulado há anos.

No meu armário, além de muitas roupas, também se encontravam jogos da minha adolescência, pastas de recordações, caixas de brinquedos – um dia meus filhos vão brincar com isso – e objetos que eu sequer sabia que estavam ali. Era tudo em grande quantidade, que se alguém me perguntasse o que eu tinha guardado, eu não saberia responder de forma objetiva.

Na minha escrivaninha – que mal fechava a gaveta – papeis pulavam por toda parte. Cadernos antigos, anotações, xerox de aulas que eu não tinha mais e muitas, mas muitas canetas de todos os tipos.

Se percorrêssemos os olhos pela estante da sala, mal conseguiríamos encontrar um CD ou DVD específico tamanha era a bagunça, provocada também, claro, pelo excesso de itens.

Meu ponto de partida foi quando, depois de consumir bastante informação sobre minimalismo em blogs estrangeiros, ler alguns livros sobre budismo – que por sinal, recomendo a todos que querem aprender sobre o desapego – e participar de algumas listas de email sobre organização e GTD, houve a tragédia das enchentes na Região Serrana aqui no Rio de Janeiro.

Sei que já contei esta história diversas vezes, mas é sempre bom relembrar. Por mais que leiamos sobre algo, nos interessemos por determinado assunto, às vezes precisamos de algo que nos dê um empurrão, e infelizmente foi uma tragédia como esta que me fez repensar se havia mesmo a necessidade de manter guardado tudo o que eu tinha acumulado por anos. Foi então que comecei, sem dó nem apego, a esvaziar meu guarda-roupas.

Depois do primeiro declutter, não consegui mais parar. Eu queria reduzir ao mínimo meus pertences, em busca de uma nova vida mesmo, como um recomeço. A sensação de ter o controle sobre minha vida me motivou a me desfazer de tudo o que não fazia mais sentido manter. Roupas, livros, artigos de papelaria, brinquedos, CDs e DVDs… quanto menos sobrasse melhor, e números, nesta época, significavam muito pra mim.

Qual seria o número ideal de peças de roupas? E de livros? Quantos pares de meia eu deveria ter?

Busquei respostas em blogs e me animava ao encontrar projetos minimalistas de pessoas que viviam com 100 objetos. Mas pra minha tristeza, após contar minhas roupas, eu via claramente que nunca conseguiria me encaixar neste modelo de vida. Isso significava que eu precisaria me esforçar mais para ser digna de ganhar o rótulo minimalista, como um prêmio em plaquinha a ser colocada na parede do meu quarto.

Algo estava errado. Eu  jamais conseguiria ter um número x de objetos. Mas eu queria ser minimalista. Queria desfrutar dos benefícios que uma vida menos acumuladora me proporcionaria. E foi ao longo dos meses, dos anos, que aprendi algumas coisas em relação ao minimalismo:

1. Minimalismo não é um rótulo

Eu não preciso sair por aí com uma faixa na testa dizendo que sou minimalista. Nem tampouco preciso seguir padrões pré-estabelecidos para fazer parte de um grupinho. Isso não é um clube, é nossa vida individual.

2. Não viver em caixinhas

Se eu sou minimalista, LOGO, devo agir de tal e tal forma, pensar de tal e tal maneira etc. Não, eu não preciso. Claro que uma reflexão leva a outra, uma atitude pode estar relacionada a outra, mas não precisamos adotar um bloco de estereótipos para nos considerarmos fazendo parte de algo.

Um exemplo? Pessoas minimalistas vivem em casas quase sem móveis, num ambiente com cores claras, móveis modernos, têm sobre a mesa apenas um computador, uma caneta e blá blá blá. Não! Esqueçam isso. Vocês podem pensar o minimalismo e manter suas almofadas coloridas indianas sobre o sofá retrô e manter sua parede da sala pintada de azul turquesa. Acredite!

3. Não precisamos competir

Tenho percebido que alguns minimalistas parecem competir em relação a quantidade de roupas, itens, livros etc., mas a transformação pessoal deve vir de dentro, não por um motivo externo. Ninguém precisa se comparar a ninguém, o processo de autoconhecimento e desapego deve ser pessoal e por motivações internas e não ligadas ao ego.

4. Quantidade não é importante

Qualidade sim. Qualidade de vida, qualidade do que decidimos manter em nossas vidas. Qualidade das amizades, dos livros, enfim, números pouco importam. O que importa mesmo é se você vai sentar-se em sua casa, respirar fundo, olhar ao redor e se sentir feliz, pleno e grato por estar em um ambiente agradável com coisas que te fazem bem, e não em um ambiente cheio de tralhas acumuladas que só servem para ocupar espaço e não significam nada.

5. Não precisamos nos desfazer do que amamos

Se você ama livros, mas quer adotar o minimalismo como princípio de vida, qual o problema em manter sua biblioteca pessoal? Nenhum problema. Esteja cercado daquilo que você ama. Se sua paixão é aquela coleção de carrinhos sobre a prateleira, não há problema algum em mantê-la. A questão em foco é desapegar daquilo que não faz mais sentido em suas vidas. Sabe aquelas roupas que não cabem mais? Aqueles sapatos que te apertam e você não usa? Aqueles livros infantis que você tem guardado numa caixa sobre o guarda-roupa há anos? Desapegue. Mas nunca se sinta culpado em manter o que você realmente gosta.

Escrevi este post pra tentar explicar a quem está conhecendo o conceito minimalista agora, numa tentativa de mostrar que você não precisa sair de um extremo diretamente ao outro. Você não precisa viver com pouco, mas com o suficiente. Você não precisa abandonar o que ama para se enquadrar em uma caixinha rotulada. Abandone apenas o que não precisa estar com você. Objetos, sentimentos, tudo o que não fará falta ou está te prejudicando. O resultado será mais espaço para coisas boas entrarem em sua vida. Sim, coisas boas, e jamais um sentimento de tristeza ao forçar algo que você não é.

Esvazie suas gavetas, limpe seu ambiente. Sente-se com os olhos fechados e respire fundo. Ainda não se sente feliz no seu lar? Recomece o processo. Só você saberá o ponto de equilíbrio, o caminho do meio. Tente ouvir aquela voz que vem de dentro. Não busque externamente, em caixinhas e rótulos, mas procure dentro de você sua própria essência.

imagem: Pixabay


Esclarecimento sobre a Mitomania

23/06/2015
Tag:

vida-minimalista-sobre-mitomania

Há um tempo estou querendo escrever aqui sobre o assunto Mitomania, que tanto repercutiu no meu blog após a leitora “Maria” nos enviar um relato sobre o assunto (clique aqui para ler).

A mitomania é um transtorno psicológico, no qual o indivíduo tem uma compulsão por mentir. Mesmo sabendo que está mentindo, mesmo que para parentes e amigos próximos, o caráter de compulsão faz com que o mitômano continue agindo dessa maneira. Assim como um alcoólatra que tem a consciência de que o álcool não lhe faz bem, mas continua bebendo, o portador do transtorno continua criando histórias que não condizem com sua realidade. Há diversos motivos que desencadeiam a mitomania, mas uma das principais é a necessidade de aceitação em um determinado grupo, o que faz com que a pessoa minta constantemente para adequar-se ao meio social em que vive.

A Mitomania, se não diagnosticada e tratada, pode desencadear diversos outros problemas na vida da pessoa acometida, como a perda da credibilidade entre familiares, amigos e pessoas do convívio profissional, fazendo com que muitos percam seus empregos, sejam abandonados por amigos e parceiros. Assumir e aceitar a mitomania é muito difícil, mas um passo importante. Vocês podem ler mais sobre a Mitomania clicando aqui e aqui.

Apesar de eu ter formação na área médica, não sou psicóloga nem terapeuta. Por causa do relato da “Maria”, muitos chegam ao meu blog à procura de maiores informações e até à procura da minha ajuda para a cura do transtorno. São dezenas de emails recebidos. Alguns leitores chegam a pensar que eu tenho mitomania e me mandam emails perguntando sobre tratamentos que fiz e o que fazer para se curarem e a verdade é que eu desconhecia este transtorno até ler o relato da leitora aqui no blog pra sessão Carta do Leitor.

Apesar de ter uma vontade imensa de ajudar a todos que me procuram, eu não tenho capacitação profissional para tratar um mitômano. Este é um transtorno sério que deve ser acompanhado por profissionais da área. Embora nem todos tenham condições financeiras de realizar consultas em psicólogos, uma dica é procurar em Universidades que ofereçam o curso de Psicologia, pois eles sempre oferecem atendimentos por um preço bem menor, ou até gratuitamente.

Sei que o primeiro passo é reconhecer e aceitar que é um mitômano, e acredito que isso já é um grande passo. Aceitar dói, mas é necessário para que se reúna forças para lutar e seguir em frente, não apenas no caso da Mitomania, mas em diversos outros problemas.

Gostaria de pedir ajuda a leitores do blog e profissionais da área da psicologia sobre o assunto. Além de consultórios com preços mais acessíveis em Universidades, há alguma outra dica a dar aos mitômanos? Qual o primeiro passo? Você tem mitomania e conseguiu tratá-la? Comente aqui para ajudar a outras pessoas que buscam por uma luz no fim do túnel.

Muito obrigada a todos!

 Créditos da imagem: Life Of Pix


Links Favoritos #3

30/05/2015

links indicados vida minimalista

Faz tempo que não indico alguns links interessantes que li ultimamente em outros blogs, então hoje vou compartilhar com vocês alguns textos bacanas que andei lendo em blogs amigos.

1. Se você acha que é pobre, leia esse post é um texto bem reflexivo da Mariana, do Butterfly Soul contando o que aconteceu com ela numa fila do caixa de um supermercado. Às vezes deixamos passar pequenos detalhes que ocorrem no nosso dia-a-dia. Vale à pena a reflexão.

“Às vezes a gente reclama que tem pouco dinheiro, que queria ter uma roupa nova, um carro, viajar pra Disney. E a gente se esquece que tem gente abrindo o saquinho pra tirar as batatas porque não tem R$4,30. – Mariana

2. A Gabi, do Teoria Criativa escreveu o post E se o seu guarda-roupa tivesse apenas 37 peças? Achei interessante que muitas pessoas ultimamente estão refletindo sobre a real necessidade de termos roupas em excesso e tentando repensar o consumismo aliado à moda.

“Acho que cheguei numa fase em que quero descomplicar o que não precisa ser complicado. Falando assim, parece até piada, né? “O que pode haver de complicado na vida de alguém com 25 anos?” Mas qualquer coisa que melhore desde já a minha qualidade de vida, tenho certeza que vai perdurar por muitos anos – e tornar o meu dia a dia mais feliz e completo.” – Gabriela

3. O mundo não é só meu foi publicado no Palavras Destorcidas, um blog muito interessante da Leli, minha colega de turma na pós-graduação. O texto aborda a questão de sermos interconectados e partilharmos do mesmo planeta, não fazendo sentido algum o egoísmo.

“A ironia da modernidade é que quanto mais nos conecta uns com os outros, mais individualistas nos torna. Mais nos sentimos separados do resto do mundo. Escutamos menos nossa humanidade. Praticamos menos atos de solidariedade, e as maldades passam a não ter o mesmo impacto dentro de nós.” – Leli Martins

4. Uma outra indicação é o texto de uma amiga muito próxima, do blog Sobre Autoestima. Pelo direito de doer – mas não morrer por isso aborda de forma bem pessoal a questão de morte, términos e finais de ciclos como uma possibilidade de um recomeço.

“Uma das coisas mais estranhas quando alguém muito próximo da gente morre é o mundo continuar girando, as pessoas continuarem indo pro trabalho, as rotinas continuarem seguindo, os ônibus e carros continuarem passando… tudo, do lado de fora, continuar exatamente o mesmo: movimento, fluxo, barulho, vida. Você fica parado olhando aquilo tudo e pensa: “como assim??” – Sobre Autoestima

5. A Patrícia Leardine escreveu em seu blog Mil Pétalas sobre Desperdir-se das coisas que não servem mais. Uma ótima leitura pra quem gosta de ler sobre o desapego e como nos faz bem deixarmos ir aquilo que não combina mais conosco.

“E esse post serve tanto para as coisas quanto para as emoções. Só não serve mais para aquilo que deixou de servir. Mas o que já não cabe em mim, talvez ainda possa servir para outra pessoa.” – Patrícia Leardine

Espero que tenham gostado das indicações. Se vocês curtem posts assim e têm links inspiradores pra indicar também, compartilhe nos comentários pra que todos possam ler.

Muito obrigada e tenham um ótimo dia!