29/09/2014

Amor próprio

Categoria: Comportamento

Amor próprio

É muito difícil colocarmos em prática aquela famosa frase que diz que devemos primeiro nos amar, para depois amarmos aos outros. Na prática, temos tantas falhas, defeitos e insatisfação com nosso próprio corpo, sentimentos e atitudes que acabamos buscando no outro um complemento de nossas fraquezas.

Tendo clareza do que nos falta, acabamos depositando no outro expectativas de tampar aquele buraco que temos, aqueles defeitos que não sabemos como lidar e acabamos acreditando piamente que o outro nos completa.

Quantos relacionamentos não são assim? Quantas vezes pensamos que não sabemos viver sem o outro? Que sem determinado amigo/parente/namorado faltará uma parte de nós? Será que devemos mesmo depositar toda essa responsabilidade em outra pessoa, como se fôssemos incompletos?

Pode parecer egoísmo, mas cultivar o amor próprio – embora seja uma tarefa um tanto árdua – é essencial para um bom relacionamento. No momento em que temos a certeza de que não precisamos de ninguém para sermos felizes, de que podemos seguir tranquilamente nossos caminhos sem depender do outro, aí sim, estamos prontos para caminharmos juntos, dividir experiências e juntar as escovas de dentes.

Um bom relacionamento não é aquele no qual há a dependência, mas sim, aquele no qual há a soma, a amizade e o companheirismo. Jamais devemos ver no outro um ponto de apoio para nossas fraquezas, devemos sim, estarmos fortalecidos para uma troca de experiência, uma caminhada na qual todos se beneficiem e que possam, juntos, ter um propósito maior.

Amor próprio é a palavra-chave. Devemos cultivar nossas qualidades, sermos gratos por quem somos e valorizarmos a nós mesmos. Tentar transmutar o que há de ruim em algo bom e aprender com erros passados apenas nos torna mais fortes para enfrentarmos desafios futuros. Um relacionamento saudável é aquele no qual não há dependência um do outro, mas sim, união, soma e vontade de crescer juntos, sem que o outro se torne apenas uma bengala. Afinal, bengalas podem quebrar, causando mais transtorno àqueles que veem no outro apenas um ponto de apoio, e não um parceiro para uma nova jornada.

E você, está em paz consigo mesmo ou depende do outro para ser feliz? Vamos nos fortalecer para, em vez de necessitar do outro, distribuirmos amor? Afinal, um relacionamento saudável é aquele que soma forças e não fraquezas.

Tag:
27/09/2014

Links Favoritos

Categoria: Inspirações

Links Favoritos

Há um tempo eu pensei em compartilhar com vocês indicações de leituras de alguns textos interessantes em blogs, revistas ou qualquer outro site online sobre minimalismo, produtividade, vida simples etc., mas por algum motivo acabei não levando adiante. Estou aqui recuperando essa ideia e hoje vou compartilhar alguns textos que andei lendo e que gostei bastante.

24/09/2014

Organizando os documentos

Categoria: Organização

Organizando os documentos

Depois de perceber que os documentos importantes da minha vida estavam uma bagunça, pensei em várias estratégias para organizá-los e vim contar a vocês como encontrei uma maneira fácil, prática e eficiente de catalogar o que é importante da minha vida pessoal, acadêmica e profissional.

Material

Como material não precisei de muito, apenas um fichário antigo que eu tinha em casa e folhas de envelope plástico em tamanho A4, que podem ser removidas quando necessárias.

Organizando os documentos

Com a pilha de documentos espalhados sobre a mesa (entre eles comprovantes de pagamentos antigos, papeis sem importância e documentos essenciais) comecei a organizar pelo início da minha vida: minha certidão de nascimento.

A cada categoria diferente, fui utilizando um novo plástico. Por exemplo, o diploma da escola ficou junto com o histórico escolar e minha declaração do MEC sobre a prova do ENEM.

Meu diploma da faculdade de Medicina Veterinária também ficou junto com todos os documentos referentes à minha primeira graduação, como histórico escolar, cópia da publicação do D. O., documentos do CRMV entre outros.

Organizando os documentos

Em cada plástico colei etiquetas indicando a qual área da minha vida pertence

Organizando os documentos

A utilização dos plásticos é uma boa ideia, já que podemos removê-los sempre que for necessário. Quando fui fazer minha matrícula na UERJ levei meus principais documentos dentro do próprio plástico, assim não corria risco de amassá-los ou sujá-los.

Outra dica interessante é guardar os pequenos documentos, como RG, CPF, Título de Eleitor e Passaporte em um único plástico. Diferente da situação em que eu me encontrava anteriormente, saber onde está cada documento de cada momento da minha vida é fundamental pra uma boa organização.

Manter cópias com as originais

Para os mais prevenidos, algo que fiz e acho interessante é manter, junto com os principais documentos originais, uma cópia deles. Toda vez que vamos nos cadastrar em algo, ingressar em algum curso ou qualquer outro motivo, nos pedem xerox de identidade, CPF, diploma entre outros, e nada mais prático que já termos tais cópias guardadas junto com cada documento original. Agiliza o processo e não precisamos ficar carregando os originais por aí toda vez que isso acontece. Portanto, a dica é manter algumas cópias junto aos originais.

Manter organizado

Depois de todo trabalho de destralhar o que não era importante, organizar cada documento em plásticos e colocá-los em ordem no fichário, é importante mantê-los organizados sempre. Quando retirar algum plástico, deve-se sempre colocá-lo de volta assim que terminar de usá-lo e também é bom manter alguns plásticos vazios para novos documentos que surgirem futuramente ou para aqueles que ainda se encontravam perdidos dentro de alguma pasta qualquer.

Esta foi  minha organização dos documentos da minha vida. E vocês, como organizam os seus? Utilizam algum sistema ou guardam tudo em uma única pasta (como eu fazia)?

Tag: