13/10/2014

Fim de semana offline

Categoria: Computador & Web

Fim de semana offline

Quem me conhece sabe que sou uma pessoa completamente conectada. Vivo com meu smartphone, respondo tweets, mensagens, publico fotos do meu dia-a-dia no Instagram e leio comentários do blog, tudo através da tecnologia móvel. No entanto, estou conseguindo reduzir aos poucos minha presença online, principalmente no Facebook.

Sempre fui uma pessoa caseira, de passar os fins de semana em casa lendo meus livros, escrevendo e navegando na internet – atividades que eu realmente gosto – mas ultimamente tenho feito algumas mudanças que estão me trazendo um bom resultado. Deixo a internet e tudo o que a acompanha para a semana (estudos, trabalho, redes sociais, bate-papo) e, a partir de sexta à noite, simplesmente desconecto do mundo virtual.

Depois da minha última aula, sexta à noite, mudo meu padrão de pensamento aproveitando ao máximo cada minuto que tenho com a presença do namorado, amigos e família. Tenho reparado que acabo deixando o celular em um canto qualquer, que raramente ligo o notebook – a não ser para assistir algum documentário ou filme – e que, de verdade, não faz falta alguma. Jamais pensei que conseguiria dizer isso, mas assumir novos compromissos comigo mesma me fez deixar um pouco o mundo virtual, o que me fez muito bem.

Para alguns pode parecer uma mudança sem importância, mas só quando nos damos conta do quanto estamos vivendo online é que lidamos com a dificuldade de desconectar. Se você, como eu, pretende ficar um pouco mais offline, algumas dicas que usei podem ser úteis:

Dicas para desconectar

1. Estabeleça um dia da semana para ficar offline (ou vários, como no meu caso, o fim de semana inteiro)

2. Comprometa-se com novas atividades. Pode ser um passeio no parque, um dia na praia ou simplesmente um dia de leituras. Inscreva-se em algum curso que gostaria de fazer, ocupe seu tempo com algo legal ou simplesmente se permita não fazer nada.

3. Desgrude do smartphone. Isso evita que você fique checando emails e atualizações do Facebook a cada minuto.

4. Aproveite pessoas reais. Se você tem filhos, guarde esse dia para aproveitar com eles. Se tem namorado/noivo/marido, dê prioridade à conversas, passeios, o que for, mas esqueça a internet. Se é solteiro sem filhos, telefone para aquele amigo querido e combine um café, um cinema ou um simples passeio.

5. Tenha em mente que você não está perdendo nada. Se alguém te mandou alguma mensagem, ela não se perderá só porque não foi lida nem respondida na hora. No final do período de desconexão, você poderá tranquilamente ligar o computador e responder cada mensagem e se atualizar dos acontecimentos nas redes sociais (que nem sempre são realmente importantes).

Tenho ficado offline durante o fim de semana, mas sem neura. O intuito é criar um espaço para aproveitarmos a mim mesma, curtir um pouco as pessoas com quem convivo e se desligar um pouco da internet, o que não significa que esteja proibida de checar um email ou pesquisar algo no Google. O mais importante de qualquer decisão que tomamos é manter o equilíbrio, sem extremos, mantendo em mente que toda decisão que tomarmos deve ser feita para nosso conforto e não privação, afinal, uma vida minimalista deve sempre nos trazer benefícios e satisfações, jamais desconforto.

E vocês, como lidam com a vida online? Passam muito tempo na internet ou não são apegados ao mundo virtual?

29/09/2014

Amor próprio

Categoria: Comportamento

Amor próprio

É muito difícil colocarmos em prática aquela famosa frase que diz que devemos primeiro nos amar, para depois amarmos aos outros. Na prática, temos tantas falhas, defeitos e insatisfação com nosso próprio corpo, sentimentos e atitudes que acabamos buscando no outro um complemento de nossas fraquezas.

Tendo clareza do que nos falta, acabamos depositando no outro expectativas de tampar aquele buraco que temos, aqueles defeitos que não sabemos como lidar e acabamos acreditando piamente que o outro nos completa.

Quantos relacionamentos não são assim? Quantas vezes pensamos que não sabemos viver sem o outro? Que sem determinado amigo/parente/namorado faltará uma parte de nós? Será que devemos mesmo depositar toda essa responsabilidade em outra pessoa, como se fôssemos incompletos?

Pode parecer egoísmo, mas cultivar o amor próprio – embora seja uma tarefa um tanto árdua – é essencial para um bom relacionamento. No momento em que temos a certeza de que não precisamos de ninguém para sermos felizes, de que podemos seguir tranquilamente nossos caminhos sem depender do outro, aí sim, estamos prontos para caminharmos juntos, dividir experiências e juntar as escovas de dentes.

Um bom relacionamento não é aquele no qual há a dependência, mas sim, aquele no qual há a soma, a amizade e o companheirismo. Jamais devemos ver no outro um ponto de apoio para nossas fraquezas, devemos sim, estarmos fortalecidos para uma troca de experiência, uma caminhada na qual todos se beneficiem e que possam, juntos, ter um propósito maior.

Amor próprio é a palavra-chave. Devemos cultivar nossas qualidades, sermos gratos por quem somos e valorizarmos a nós mesmos. Tentar transmutar o que há de ruim em algo bom e aprender com erros passados apenas nos torna mais fortes para enfrentarmos desafios futuros. Um relacionamento saudável é aquele no qual não há dependência um do outro, mas sim, união, soma e vontade de crescer juntos, sem que o outro se torne apenas uma bengala. Afinal, bengalas podem quebrar, causando mais transtorno àqueles que veem no outro apenas um ponto de apoio, e não um parceiro para uma nova jornada.

E você, está em paz consigo mesmo ou depende do outro para ser feliz? Vamos nos fortalecer para, em vez de necessitar do outro, distribuirmos amor? Afinal, um relacionamento saudável é aquele que soma forças e não fraquezas.

Tag:
27/09/2014

Links Favoritos

Categoria: Inspirações

Links Favoritos

Há um tempo eu pensei em compartilhar com vocês indicações de leituras de alguns textos interessantes em blogs, revistas ou qualquer outro site online sobre minimalismo, produtividade, vida simples etc., mas por algum motivo acabei não levando adiante. Estou aqui recuperando essa ideia e hoje vou compartilhar alguns textos que andei lendo e que gostei bastante.