01/12/2014

Um pequeno desabafo: sobre o Vida Minimalista

Categoria: Blog

Um pequeno desabafo: sobre o Vida Minimalista

Olá, leitores, tudo bem?

Hoje vim aqui, depois de um fim de semana offline e pensando na vida, escrever sobre algo que há um tempo venho pensando. Quem me acompanha pelo Instagram já imagina o que vou falar, já que fiz um mini-desabafo na última sexta-feira sobre os rumos que meu blog Vida Minimalista está levando:

“Chega um momento em nossas vidas que mudamos tanto a ponto de sentirmos desconectados com o que criamos e concretizamos anteriormente. Ultimamente estou sentindo um pouco de desconexão com o meu blog Vida Minimalista. Não é pelo fato de não pensar mais desta forma, mas sim por pensar em tantos outros fatores que não consigo me limitar a um único tema. Meus posts têm fugido um pouco do assunto minimalismo e estou pensando seriamente no que posso fazer para aproveitar toda essa inspiração e fazer alguma mudança. Ainda não sei se o melhor é migrar pra um novo blog (mantendo tudo que já escrevi + várias novidades) ou manter o Vida Minimalista e aguardar os acontecimentos. Aceito sugestões de leitores e principalmente de quem já passou por isso. Explicarei melhor no blog tudo isso, já que aqui o espaço não é muito adequado pra um longo desabafo.”

Por muito tempo me senti completamente conectada com o espírito minimalista. Quis reduzir tudo na minha vida, chegar no ponto mínimo, para então analisar o que me era querido e o que não combinava mais com quem eu era. Foi uma experiência sensacional, inclusive compartilhar todas elas aqui no blog, mas ao longo do tempo eu mudei bastante, e minha vontade de compartilhar com vocês tantos outros assuntos é enorme, embora este blog fale sobre uma vida minimalista.

Antes que me perguntem, não, eu não deixei de ser minimalista, não mudei minha opinião sobre o que venho escrevendo aqui há alguns anos, mas me sinto incomodada em determinadas situações que presencio “em nome do minimalismo”.

O movimento do minimalismo como estilo de vida cresceu – e muito – no Brasil e no mundo, e com isso, muitos sentem a necessidade de se rotularem como minimalistas, quase que mostrando carteirinha de clube, o que pra mim não é o caminho. Claro, como sempre falo, cada um constrói a sua própria trilha, mas quando isso começa a afetar o outro, com julgamentos, competições e frases do tipo “isso é minimalismo, isso não é”, ou o pior, “sou mais minimalista que você, veja, tenho apenas 3 cuecas”, acho que já passou de um estilo de vida que preza o bem-estar e começa a entrar em uma área obscura do ego. (lembrando que tais frases que escrevi são apenas exemplos).

Eu continuo pensando da mesma forma, mas não apenas desta forma. Com isso, minha vontade de compartilhar sobre diversos assuntos que acho interessantes apenas aumenta, mas como meu blog tem um tema delimitado – minimalismo – muitas vezes me sinto travada em compartilhar assuntos um pouco mais pessoais ou que fujam do tema. Nem sempre os leitores são hospitaleiros (já passei por cada situação…) mas sei que um blog é como nossa casa e devemos, acima de tudo, sentirmos bem escrevendo, cuidando dele e recebendo nossos visitantes com carinho, afinal, para cada mensagem desagradável que recebo, sempre há tantas outras de leitores carinhosos e queridos apoiando meu trabalho (obrigada!).

A verdade é que estou me sentindo um pouco desconectada com o tema minimalismo. Embora eu viva no meu dia-a-dia um estilo de vida minimalista, simples, buscando ver a beleza nos pequenos momentos enquanto me organizo pra melhorar minha produtividade, não me sinto mais confortável em escrever exclusivamente sob um rótulo, sobre algo que limita. Para suprir esse desejo de escrever sobre outros temas, eu tinha meu outro blog pessoal, o Camilando, o qual desativei por não querer manter dois blogs – vejam como sou sim, minimalista! – afinal, um blog demanda tempo e dedicação, e achei melhor manter apenas este naquela época em que tomei tal decisão.

Este post, portanto, é um pequeno desabafo. Não tenho nada decidido ainda sobre qual rumo o Vida Minimalista irá tomar. Talvez eu precise de um tempo pra descansar, talvez eu migre todo o conteúdo pro meu domínio Camile Carvalho (no qual já tem todos os posts do backup do antigo Camilando + Vida Minimalista nos rascunhos) ou talvez eu mude de ideia e continue escrevendo aqui. Não quero tomar nenhuma decisão precipitada, apesar de eu estar inquieta querendo uma grande mudança. Tenho duas opções: ou deixar tudo como está e ver no que vai dar ou migrar todo o conteúdo pro Camile Carvalho, junto com outros posts do meu antigo blog, fazer uma super revisão nos posts antigos e organizar as categorias. Mas é uma decisão que tem que ser muito bem ponderada, tanto por não saber se meus leitores irão continuar me acompanhando na casa nova (mesmo escrevendo sobre o mesmo assunto + outros interessantes) quanto pelo nome Vida Minimalista que já tenho consolidado e outras implicações mais técnicas, como indexação do google, redes sociais etc. Vale lembrar que qualquer mudança que eu fizer não afetará o Grupo do Facebook.

Este é meu desabafo. Ainda não tenho nada decidido, mas se tiver que fazer alguma mudança, acho que estou preparada. Gostaria muito da opinião de vocês, leitores, principalmente de blogueiros que já passaram por algo parecido. A verdade é que desapegar do nome Vida Minimalista é difícil, apesar de eu ter chegado em um ponto no qual já me sinto limitada com ele. Vale lembrar também que minha ideia não é deixar de escrever, mas sim, escrever também sobre inspirações do meu cotidiano, sobre o estilo de vida que levo, minhas descobertas, eventos que participo, livros que leio… mas sem me prender ao rótulo minimalista.

E vocês, o que pensam disso?